Crescimento pessoal

26/06/2019 08h00

Como você olha para sua criança interior?

Seu sistema de crenças limitantes está diretamente vinculada a ela.

Por Rafael Orso

Pixabay
Co%cc%81pia de sem nome

Como você olha para sua criança interior?

Quanto espaço o remorso, os arrependimentos e ressentimentos ocupam dentro de você? Por que esses sentimentos são nutridos? Você já parou para pensar o quanto essas sensações te limitam e impedem a sua realização, seja pessoal, profissional ou amorosa?

A mente é como um computador, nutrido de “programas”, de sensações básicas, que vivenciamos e tomamos como verdade ainda no período de infância. Esses “programas" rodam no subconsciente como uma crença - algo que você profundamente acredita como uma verdade maior e que deve ser honrada.

Assim, os fatos e situações que você vivenciou em sua infância contam muito como padrões de reconhecimento que lhe instigam a  cocriar uma realidade semelhante a que foi experienciada.

Pare por 30 segundos e visualize o filme de sua vida. Fatos, situações e tipos de pessoas acabam sempre sendo recorrentes. Por mais catastrófico que seja, tudo está conectado diretamente com a forma como os sentimentos são registrados na infância. Isso faz sentido para você? Se você disse que sim, vamos lá. Vamos mergulhar um pouco mais nas aventuras da sua "persona infantil”. 

Todo o ressentimento que é guardado de algo ou alguém tem uma serventia positiva, mesmo que essa ideia pareça um pouco estranha. Um adulto que tem desafios em se sentir realizado e com sucesso, certamente tem questões a serem resolvidas com seu pai. Talvez esse adulto, quando pequeno, testemunhava frases como “a vida de adulto é difícil, você precisa trabalhar muito se quiser ter algo na sua vida”. Ou você apenas compreendia esses mesmos fatos ao observar um pai que era extremamente focado em trabalhar para servir a família. Logo, você na condição de adulto, tende a repetir o mesmo comportamento, cocriando qualquer tipo de empecilho para assim honrar a verdade que você testemunhou de seu pai “a vida de adulto é difícil”.

Uma pessoa que vive com este “programa mental” se condiciona a viver em uma realidade onde atraia, enxergue e interaja com situações de escassez e exaustão. Em seu íntimo pode haver a crença “eu ressinto a escassez do meu pai”. Esta crença condiciona todo seu comportamento em relação ao dinheiro.

Para reconhecermos a abundância que o Universo nos provem, é extremamente necessário investigarmos e limparmos crenças limitantes. É importante realizar uma cura nesta criança interior para que tais mágoas do passado deixem de nutrir e assombrar sua vida presente.

Abraçar aquela criança interior e ensinar ela a superar aquele trauma origem que desencadeou diversos outros padrões de comportamento é fundamental para evoluir. No fundo, buscamos por reconhecimento, segurança e amor e estes pilares precisam estar muito bem equilibrados no íntimo, na criança, para que então possamos nos sentir merecedores de uma realidade proveitosa, próspera e de sucesso.

Rafael Orso é instrutor e terapeuta de Thetahealing e psicoterapeuta Reencarnacionista

 

X